Artigo

Da (im)possibilidade do reconhecimento extrajudicial de usucapião.

Dra. Marcia Pimentel

O comprador do imóvel o ocupa, zela por ele e paga os impostos e taxas incidentes, mas não é proprietário na sua matrícula porque a compra do bem não foi formalizada por escritura pública e registrada no Cartório competente. E, com o passar do tempo - anos na posse do imóvel – o proprietário que consta na matrícula não é localizado para formalizar a aquisição.

Essa é uma das situações que levam ao pedido da usucapião, medida para o possuidor do imóvel obter a aquisição da propriedade [1], se preenchidos certos requisitos.

Assim, visando diminuir ações judiciais para tal finalidade, o atual Código de Processo Civil - vigente desde 18 de março de 2016 - acrescentou o artigo 216-A na Lei de Registros Públicos, admitindo o pedido de reconhecimento extrajudicial. Em ambos, usucapião judicial e extrajudicial, é necessário que o interessado esteja representado por advogado.

Segundo as regras desse procedimento, o pedido é realizado diretamente no Cartório onde o imóvel está registrado. Logo, é uma alternativa criada para o possuidor do imóvel  buscar o reconhecimento do seu direito sem – necessariamente - ingressar com ação judicial. Caso a documentação apresentada não estiver conforme as exigências legais, o oficial de registro rejeitará o pedido.

Apesar do objetivo de reduzir tais demandas em juízo, a documentação exigida no inciso II e a regra do § 2º, ambos do artigo 216-A da Lei de Registros Públicos tornam o reconhecimento extrajudicial de usucapião praticamente inviável:

II - planta e memorial descritivo assinado por profissional legalmente habilitado, com prova de anotação de responsabilidade técnica no respectivo conselho de fiscalização profissional, e pelos titulares de direitos reais e de outros direitos registrados ou averbados na matrícula do imóvel usucapiendo e na matrícula dos imóveis confinantes; (Destacou-se) 

...

§ 2º Se a planta não contiver a assinatura de qualquer um dos titulares de direitos reais e de outros direitos registrados ou averbados na matrícula do imóvel usucapiendo e na matrícula dos imóveis confinantes, esse será notificado pelo registrador competente, pessoalmente ou pelo correio com aviso de recebimento, para manifestar seu consentimento expresso em 15 (quinze) dias, interpretado o seu silêncio como discordância. (Destacou-se)   

Isso porque, na maioria dos casos, o pedido de reconhecimento da usucapião se faz necessário, pois o proprietário da matrícula (titular de direito real) não é localizado e não se interessa pelo imóvel. Por outro lado, observamos nos dispositivos legais acima transcritos que na planta e no memorial descritivo deve conter a sua assinatura. Se a planta não contiver, o titular de direito real será notificado e o seu silêncio será interpretado como discordância.

Tal circunstância comum levará à rejeição do pedido de reconhecimento extrajudicial de usucapião. Primeiro, pela dificuldade da colheita de assinatura do proprietário da matrícula para a documentação exigida estar em ordem. Segundo, pois se notificado, o seu silêncio será interpretado como discordância do pedido.

Dito de outro modo, uma das exigências do procedimento de reconhecimento extrajudicial - expressa concordância dos titulares de direitos reais sobre o imóvel - está incompatível com o instituto da usucapião.  Pois no caso, esse direito do possuidor é adquirido porque – dentre outros requisitos – o proprietário indicado na matrícula do imóvel não se opôs à posse prolongada de terceiros.

Portanto, enquanto não houver aperfeiçoamento nas previsões legais para o reconhecimento extrajudicial de usucapião, a ação judicial está sendo o meio mais viável para o possuidor buscar o reconhecimento do seu pedido, visando se tornar - efetivamente - o proprietário do imóvel ocupado. 

Ante os motivos mencionados, consultar-se previamente com advogado especializado e atuante na área é providência certa do possuidor de imóvel. Dessa forma, as circunstâncias da posse serão analisadas com os critérios essenciais para a apuração da alternativa possível que objetiva o reconhecimento da usucapião, refletindo – além das consistentes expectativas – no investimento de tempo e custos no mínimo necessário ao caso concreto.

[1] Previsão do artigo 1238 ao artigo 1244 do Código Civil.

---

Notícias

 

Confirmada justa causa de trabalhador que postou comentários ofensivos na página da empregadora no Facebook

Uma fábrica de máquinas de construção dispensou por justa causa um empregado porque ele postou na página da empresa em uma rede social...

SAIBA MAIS

Concordância de empregado com imposição de venda de férias não isenta empregador de ressarcir os dias de descanso não usufruídos

O empregado pode requerer a conversão em dinheiro de 1/3 de suas férias anuais, o que equivale ao período de 10 dias, se considerando o prazo padrão de 30 dias. É uma faculdade conferida por...

SAIBA MAIS

Empresa está isenta de indenizar motorista que atribuiu obesidade ao trabalho

A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho desproveu agravo de instrumento de motorista de caminhão que pretendia indenização por dano moral por ter ficado obeso, segundo ele, em função do excesso de serviço, que contribuiu também para a doença que implicou a amputação de parte de sua perna. Para o caminhoneiro, a empregadora, Comercial de Alimentos Oltramari Ltda., deveria ser condenada pela sobrecarga de trabalho, que...

SAIBA MAIS