Artigo

Reforma Trabalhista: Multa por falta de registro de empregado 

Dra. Cristina Molina

O formalmente denominado Projeto de Lei da Câmara nº 38 [1], de 2017, apelidado de “Reforma Trabalhista” e identificado pelo Ministério do Trabalho e Emprego de “Proposta de Modernização da Legislação Trabalhista”, surgiu com objetivo de alterar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1.943, e as Leis nº 6.019/74, 8.036/1990 e 8.212/1991, foi aprovado na última terça-feira (11-07-2017) pelo Senado, seguindo para a sanção do Presidente da República.

O projeto de lei, além de todos os tópicos amplamente debatidos pela sociedade, imprensa, sindicatos e demais profissionais envolvidos com o tema, propõe atualizar os mecanismos de repressão ao trabalho informal, com foco na proteção do trabalhador e na arrecadação previdenciária, fundo de garantia, imposto de renda e salário educação.

Além de ampliar a fiscalização contra a falta de registro (anotação na CTPS), o Ministério do Trabalho e Emprego propôs aumento no valor das multas administrativas por cada empregado não registrado.

Atualmente, se constatada a ausência de registro de empregado pelo Auditor Fiscal, a empresa poderá ser multada em R$ 400,00 (quatrocentos reais). Com as alterações propostas, o valor passará a ser R$ 6.000,00 (seis mil reais) por empregado não registrado e de igual valor em caso de reincidência. Para o Ministério do Trabalho, reincidente é o empregador infrator que for autuado por infração ao mesmo dispositivo legal, antes de decorridos 02 (dois) anos da imposição da penalidade.

A novidade é que, se o infrator for uma microempresa ou empresa de pequeno porte, a multa será de R$ 800,00 (oitocentos reais) por empregado não registrado.

Ainda sobre o tema, destacamos que, se por ventura a empresa for autuada sob a alegação de falta de registro de empregados, poderá apresentar defesa escrita ao Superintendente Regional do Trabalho e Emprego no prazo de 10 (dez) dias após o recebimento do Auto de Infração emitido pelo Auditor Fiscal.

Contudo, é importante destacar que a defesa a ser apresentada, deve obedecer aos requisitos previstos na Portaria M.T.E. nº 854, de 25-06-2015, especialmente quanto aos artigos 28 e 29 que determinam, entre outros, que a defesa seja formalizada por escrito e instruída com documentos que a fundamentarem. O não atendimento às formalidades previstas na portaria mencionada resultará no não conhecimento da defesa, equivalendo à sua não apresentação e convalidação da multa aplicada.

Por certo que é garantido às empresas o direito constitucional ao contraditório e ampla defesa no processo administrativo que, após a “acusação” de um ato ilegal, materializada com a lavratura do Auto de Infração, poderá apresentar sua defesa escrita, com as razões de sua discordância quanto a aplicação da multa administrativa, bem como, com o objetivo de coibir eventuais abusos e arbitrariedades da Administração Pública.

[1] Leia o Projeto de Lei em: http://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/129049

---

Notícias

 

Súmula 44: Jornada de 12 X 36 em ambiente insalubre precisa de autorização do Ministério do Trabalho 

A jornada de 12 horas trabalhadas por 36 horas de descanso realizada em ambiente hospitalar insalubre só é permitida com autorização prévia do Ministério do Trabalho. 

SAIBA MAIS

Fofocas sobre vida pessoal de funcionário por superiores configuram danos morais 

Um empregado que tinha sua vida pessoal exposta por meio de comentários vexatórios feitos por seus superiores hierárquicos no ambiente de trabalho teve acolhido seu pedido de indenização por danos morais, em sede de recurso ordinário (interposto contra decisão de 1ª instância).

SAIBA MAIS

Empresa terá de pagar horas extras por conceder intervalo duas horas após início da jornada

O juiz Fernando de Mello Xavier, do 10º Juizado Especial Cível, condenou as operadoras C. S/A e T. Celular S/A a pagarem, solidariamente, R$ 20 mil a E. P. N. por danos morais. Após portabilidade realizada da primeira para a segunda empresa, o cliente ficou impossibilitado de receber chamadas e mensagens de texto de números vinculados à C..

SAIBA MAIS