Artigo

Sucessão empresarial.

Como minimizar problemas e manter o bom andamento dos negócios.

Dra. Giuliana Giorgio

Muitos são os desafios para a boa condução de uma empresa e um dos temas cruciais para o sucesso dos negócios é a sucessão empresarial. Afinal, todas as empresas que atuamalgum tempo no mercado, pequenas, médias, grandes, familiares ou corporativas, cedo ou tarde, passarão por este processo.

Segundo pesquisas, em meio ao universo empresarial, são raros os casos em que uma empresa chega à terceira geração de sucessores. Mas por que isso ocorre? Por que a sucessão empresarial provoca tanto desgaste nas empresas?

Os problemas mais comuns são a ausência ou a má qualidade da assessoria empresarial e jurídica, as decisões tomadas impulsivamente, no calor do momento, sem a correta preparação da negociação, a inexperiência administrativa e a ausência de um planejamento sucessório estratégico a ser seguido.

Para compreendermos o que deve ser feito para que uma sucessão de empresas seja bem sucedida, é fundamental entendermos o que é a sucessão empresarial.

A sucessão empresarial ocorre quando a gestão, o poder e o capital de uma empresa são transferidos de uma pessoa ou um grupo (sucedido) para outra pessoa ou grupo (sucessor), de sorte que o sucessor garante a continuidade dos negócios daquela empresa, normalmente atuando no mesmo estabelecimento e mantendo os mesmos empregados nas suas respectivas funções.

 Trazemos, a seguir, algumas orientações, a fim de minimizar possíveis impactos negativos no processo de sucessão empresarial.

1. Comece a planejar a sucessão com antecedência. Pense com calma na missão, visão, valores e códigos de conduta da empresa, que deverão prevalecer após a troca de comando. Defina qual o perfil ideal de quem comandará o negócio, e quais inovações poderão ser implementadas, dentre outros detalhes.

2. Com o auxílio de assessoria especializada, empresarial e jurídica, inicie a sucessão seguindo um planejamento estratégico e definido, que garanta uma sucessão gradativa, tanto na escolha do sucessor e atribuição de suas funções, quanto na própria transferência de comando, no intuito de evitar problemas a curto e longo prazo.

3. Avalie quem tem as qualidades e a capacidade necessárias para assumir o comando do negócio, e invista na qualificação e preparação do sucessor, através de treinamentos, cursos, aconselhamento, acompanhamento e outras maneiras de capacitação. Tenha em mente que a preparação adequada do novo gestor será determinante para a continuidade do bom andamento dos negócios.

4. Conte com o apoio de consultoria especializada em assuntos relacionados a finanças estratégicas, governança corporativa, processos e produção, e comercial e marketing, dentre outros, buscando sempre melhorar os resultados da empresa.

5. Sob a perspectiva jurídica, avalie a questão da sucessão das obrigações e responsabilidades, e as consequências quanto à existência anterior de dívidas, créditos e contratos, em todas as esferas (cível, trabalhista e tributária), contando sempre com o auxílio de assessoria jurídica especializada.

6. Profissionalize os diversos setores da empresa, alocando técnicos em cargos estratégicos.

7. Envolva, no processo de transição, os funcionários da empresa e os demais colaboradores, para que façam parte deste momento, e se sintam mais seguros e abertos a eventuais mudanças, afinal, a colaboração e o apoio de todos ao novo gestor é essencial para que a empresa continue desenvolvendo um bom trabalho.

8. Evite conflitos entre os interessados em suceder o comando empresarial. Uma disputa excessivamente acirrada poderia fragmentar a empresa e destruir tudo o que foi construído pelo antecessor em anos de trabalho. Atue para minimizar eventuais impactos negativos da disputa pelo poder, anulando o candidato que está disposto a fazer qualquer coisa para assumir a empresa. Tenha em mente que o equilíbrio é característica essencial de um líder empresarial.

---

Notícias

 

Sócio retirante é responsável por débito trabalhista que integrava o passivo da empresa na data de sua saída

A 1ª Turma do TRT mineiro, em voto da relatoria do desembargador Emerson José Alves Lage, confirmou a responsabilização de um sócio retirante pelo crédito trabalhista de um ex-empregado...

SAIBA MAIS

Jornada de trabalho inverossímil não se presume verdadeira

A 3ª turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ) julgou improcedente recurso de um ex-empregado da P., empresa do ramo varejista, que requeria reforma do julgado para que fosse deferido o pagamento de horas extras proporcional à jornada de trabalho declarada em seu pleito inicial, em virtude da supressão do intervalo interjornada. Entretanto, o trabalhador e a empresa não juntaram controles de frequência. A decisão seguiu, por unanimidade, o voto do relator do acórdão...

SAIBA MAIS

Empresa terá de pagar horas extras por conceder intervalo duas horas após início da jornada

Uma empresa não conseguiu, em recurso para a Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho, reverter condenação ao pagamento de horas extras a um ex-empregado referentes ao intervalo intrajornada concedido irregularmente pela empresa. O trabalhador cumpria jornada de 12 horas por turno, com intervalo logo depois...

SAIBA MAIS