Artigo

A reforma trabalhista e os novos anos.

Dra. Cristina Molina

 E, 2017 está chegando ao seu término. 

Sem qualquer pretensão de fazermos uma retrospectiva dos acontecimentos que marcaram o ano de 2017, o que não é o enfoque dessas linhas, sem sombra de dúvidas no campo da renovação legal, a Reforma Trabalhista (Lei nº 13.467/2017) ganhou grande destaque e, talvez assim permaneça por alguns anos nos noticiários, sites, artigos de jornais e revistas, em blogs, redes sociais, conversas entre amigos e colegas de trabalho.

Especialmente, hoje, para encerrarmos esse ano, trazemos à tona a primeira decisão do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo sobre a cobrança de honorários advocatícios após a Reforma Trabalhista. 

Para relembrarmos, a Lei 13.467/2017 entrou em vigência em 11-11-2017 alterando a Consolidação das Leis do Trabalho-CLT e, entre as principais alterações está a cobrança de honorários de sucumbência, fixados entre o mínimo de 5% (cinco por cento) e o máximo de 15% (quinze por cento) sobre o valor que resultar da condenação, (art. 791-A, caput, CLT). Antes da Reforma Trabalhista, o empregado ou empresa, não eram condenados ao pagamento de honorários advocatícios em ações trabalhistas, independente do resultado da ação para ambas as partes. 

No último dia 07 de dezembro, a 17ª Turma do TRT da 2ª Região, discutiu a validade da cobrança de honorários advocatícios para sentenças proferidas na vigência da Lei 13.467/2017 (Reforma Trabalhista). Em outras palavras, para as sentenças proferidas antes de 11-11-2017 não será aplicado o artigo da CLT que determina a cobrança de honorários de sucumbência, fixados entre o mínimo de 5%(cinco por cento) e o máximo de 15% (quinze por cento) sobre o valor que resultar da liquidação de sentença.  (art. 791-A, caput, CLT). 

No caso julgado pela 17ª Turma do TRT, a sentença havia sido proferida antes de 11-11-2017, contudo, houve condenação da empresa ao pagamento de honorários advocatícios. O recurso foi favorável à empresa, com a exclusão da condenação ao pagamento de honorários advocatícios. 

É importante destacar que referido julgamento não é de adoção obrigatória para outros casos que venham a ser apreciados pela Justiça do Trabalho, mas, sem dúvida apresenta o caminho que poderá ser percorrido em sentenças que ainda serão proferidas e, com as mesmas peculiaridades mencionadas acima.

Por certo que, entre os cuidados para se evitar a condenação em honorários advocatícios, está primeiramente a antecipação de riscos legais através da adoção de medidas preventivas, na fase de contratação, no curso do contrato de trabalho e após o seu encerramento. Mais do que isso, a análise de reais direitos trabalhistas antes do ajuizamento de ação trabalhista, bem como, da condução da defesa de forma responsável, no caso de empresas, poderá significar a condenação ou não no pagamento de honorários advocatícios.

Que as discussões sobre a Reforma Trabalhista e sua aplicação continuem nos novos anos, destacando sempre a importância da consulta à profissionais especializados no tema que poderá proporcionará maior segurança na tomada de decisões (que, por certo ocorrerão em anos vindouros) e o pla­nejamento dos negócios empresariais, minimizando ou eliminando os prejuízos advindos de eventuais ações trabalhistas. 

---

Notícias

Técnico de dados que tentou induzir o juízo a erro é condenado a indenizar empresa de tecnologia da informação

O juiz Vanderson Pereira de Oliveira, em sua atuação na Vara do Trabalho de Patos de Minas, condenou um técnico de dados a indenizar sua ex-empregadora, uma empresa que atua no setor de tecnologia da informação, por litigar de má-fé. 

SAIBA MAIS

Empresa é isenta de depositar FGTS em afastamento por doença não relacionada ao trabalho

A Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho – SDI1 isentou a uma empresa de depositar o FGTS de um pintor no período em que este ficou afastado por auxílio-doença acidentário em decorrência de uma doença degenerativa. 

SAIBA MAIS

Prorrogações de contrato de aluguel não autorizam denúncia vazia

A soma dos períodos de aluguel urbano renovado sucessivamente não autoriza a rescisão contratual imotivada (denúncia vazia), nos termos do artigo 46 da Lei do Inquilinato, já que a legislação não permite a adição de tempo nessa situação.

SAIBA MAIS